Joana Bento dos Santos foi diagnosticada com coronavírus logo nos primeiros meses da pandemia. Na época, as informações sobre a doença ainda eram escassas e ela não apresentava qualquer sintoma. Mesmo assim, por decisão acertada das enfermeiras, foi mantida em isolamento e passou ilesa pelo susto. Pouco mais de sete meses depois, Joana recebeu outra notícia, desta vez, muito mais animadora. Ela seria a primeira idosa de Diadema a receber a vacina contra a Covid-19. Detalhe: ela tem 107 anos.
 
Joana está entre os 97 hóspedes das quatro instituições de Longa Permanência de Idosos da cidade que começaram a ser imunizados durante esta segunda-feira (25). A vacinação dos chamados idosos institucionalizados está dentro da primeira etapa da imunização.
Há uma semana, a cidade recebeu 4.480 doses da Coronavac e vacinou 3.154 pessoas. Nesta terça, outras 3.440 doses de AstraZeneca chegaram à cidade. No total, são 7.920 de vacinas enviadas para Diadema até o momento.
Alívio e fé
Quem também recebeu a vacina foi Iracy Ignácio Mendes, de 88 anos, também hóspede do Lar de Idosos e um grande entusiasta da vacina – e da ciência. “Eu contraí a Covid-19 e fiquei mais de 30 dias em recuperação, com sintomas muito fortes. Meu conceito de vida mudou muito depois dessa experiência. Tomar a vacina me traz uma alegria que há muito tempo eu não sentia”, conta.
Para Maria do Céu Carvalho dos Santos, de 80 anos, a vacina veio também para materializar a sua fé de que dias melhores estão por vir. “Eu estava muito ansiosa para receber a vacina, mas eu sei que o tempo pertence a Deus e na hora certa ela iria chegar. Eu me sinto jovem, forte e nunca tive medo da vacina. Medo quem tem que ter é quem não quer tomar”
Já Maria Cristina Neres dos Santos, de 67, a vacina encerra um longo período de incertezas.“Eu tive muito medo de não viver para ver a chegada desta vacina. Foi um ano muito difícil para todo mundo e eu estava muito ansiosa para receber a dose. Agora que tomei, a sensação é como eu tivesse nascido de novo”.