A decisão é política: o prefeito Orlando Morando (PSDB) deu aumento salarial para alguns funcionários escolhidos a dedo, mas por outro lado não concede os direitos aos professores que estudam e se qualificam para poder ter incremento no salário.

Dezenas de professores procuraram a TV São Bernardo para relatar seus casos. Há situações em que os educadores deram entrada nos pedidos, junto com os certificados dos cursos que fizeram, mas ainda não recebem as gratificações.

“Sou professora da rede de São Bernardo do Campo desde 2014. Entreguei os certificados para progressão horizontal em 2018. Estou esperando a 1 ano e 3 meses receber o aumento em meu salário. Sempre que ligo lá, a resposta é a mesma, que eles não podem passar nenhuma previsão de quando receberei o reajuste em meu salário, muito menos o retroativo que estão me devendo”, relatou uma professora que não quer se identificar, com receio de retaliação.

“Sou professora concursada desde 2015, entreguei certificado de pós-graduação há mais de um ano e até o momento não houve o pagamento da progressão vertical. Entrando em contato com o RH, sou informada que meu diploma foi deferido, que basta aguardar a publicação no jornal Notícias do Município (imprensa oficial da Prefeitura). Porém, isso nunca acontece”, afirma outra educadora.

“Entrei na rede de São Bernardo há quatro anos. Entreguei minhas especializações, mas até agora não obtive aumento referente ao meu salário. Sempre me passam a informação que estava tudo certo, mas não havia previsão de pagamento, que estavam aguardando a liberação da verba, que sairia por lote, mas nunca saiu”, reclama mais uma professora.

O Sindicato já está ciente do problema e tem ingressado com processos administrativos. Mas não há garantia de recebimento dos direitos devidos.