A situação que vive a Câmara de São Bernardo beira o vexatório. Os vereadores não votam absolutamente nada faz quatro sessões (um mês praticamente). Isso porque a pauta está travada, pois o item a ser votado obrigatoriamente diz respeito às contas do ex-prefeito Luiz Marinho (PT).

Enquanto isso, a população paga a conta dos trabalhos parados, com altos impostos. Neste ano, a Câmara de São Bernardo tem Orçamento de R$ 77,5 milhões. Em média, R$ 6,45 milhões por mês. Esse é o custo do Legislativo de São Bernardo, que está parado.

O problema é que o prefeito Orlando Morando (PSDB) e sua base aliada querem rejeitar as contas, mas não têm votos suficientes para isso (são necessários 19). Por isso, a estratégia dos vereadores que apoiam o governo tucano tem sido não comparecer no plenário no momento das sessões para não ter quórum suficiente para abrir a votação.

Informações de bastidores relatam que existem cerca de 70 projetos parados na pauta para serem votados. Muitos, claro, sem relevância. Mas na prática não estão sendo discutidos.

São 28 vereadores na Câmara (sendo que 29 recebem salário, já que o afastado Mario de Abreu continua com seus vencimentos mensais), alguns até com intenção de votar as contas de Luiz Marinho e destravar a pauta.

Mas a pergunta que fica é: até quando a Câmara de São Bernardo vai ficar parada?