Limpeza de bocas de lobo não estava no contrato; enchentes de março deixaram centenas de casas alagadas e uma pessoa morreu

O Ministério Público abriu inquérito civil para investigar contrato emergencial firmado entre a Prefeitura de São Bernardo (gestão Orlando Morando) e o Consórcio Ambiental SBC, no valor de R$ 60,6 milhões. Os serviços contratados, porém, não englobavam limpeza de bocas de lobo e córregos, por exemplo, como era feito com a empresa anterior, cujo contrato foi rescindido unilateralmente pela Prefeitura.

Foi justamente a sujeira nos bueiros e nas galerias de águas pluviais um dos motivos das enchentes ocorridas no início de março, que causaram transtorno em vários bairros de cidade e matou uma pessoa.

Agora, o MP vai coletar informações, depoimentos, certidões e pedir perícias para esclarecer as responsabilidades da gestão Orlando Morando (PSDB)