EM BRASÍLIA, ORLANDO MORANDO E COMITIVA DE PREFEITOS SE REÚNEM COM PACHECO PARA DISCUTIR SUBSÍDIOS AO TRANSPORTE

EM BRASÍLIA, ORLANDO MORANDO E COMITIVA DE PREFEITOS SE REÚNEM COM PACHECO PARA DISCUTIR SUBSÍDIOS AO TRANSPORTE


Chefes dos executivos da região metropolitana de São Paulo demonstraram preocupação com a alta de preços do óleo diesel e de outros insumos da planilha do transporte coletivo

Ao lado de outros prefeitos da região metropolitana de São Paulo, o chefe do Executivo de São Bernardo, Orlando Morando, participou na noite desta quarta-feira (24/11) de reunião com o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, para tratar do transporte coletivo. O encontro foi articulado pelo prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, com o objetivo de buscar ajuda financeira do governo federal para custeio da tarifa de ônibus nos municípios. Na ocasião, os gestores apresentaram preocupação com as altas de preços do óleo diesel e de outros insumos que compõem a planilha do transporte.

A pauta principal foi o possível subsídio da União às gratuidades do sistema de transporte (destinadas aos idosos e estudantes, por exemplo). Na avaliação dos prefeitos, caso não haja ajuda do governo federal, o aumento da tarifa de ônibus nas cidades poderá se tornar uma realidade inevitável, já a partir de 2022.

Além de Pacheco, também participaram da audiência o deputado federal Cezinha de Madureira (PSD-SP), bem como o senador por São Paulo, Alexandre Luiz Giordano (MDB).

De acordo com o prefeito Orlando Morando, o assunto continuará sendo discutido nos próximos dias. “Não podemos precarizar a qualidade do transporte coletivo e reajustar a tarifa, no momento que o País está, traria mais um ônus aos trabalhadores, já impactados pela alta da inflação e pelo desemprego”, destacou Morando.

A expectativa é que o pleito dos prefeitos também seja levado a representantes dos Ministérios da Economia e dos Transportes e da Câmara dos Deputados.

IMPASSE – Além da queda do número de usuários do transporte coletivo, registrado pelos municípios durante a pandemia, o preço da tarifa de ônibus vem sendo pressionado, sobretudo, pelo aumento do diesel, que acumula alta de 65% no ano, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Comente aqui

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.