CRIME AMBIENTAL É FLAGRADO NA REGIÃO DO RIACHO GRANDE, TV São Bernardo - Notícias de São Bernardo do Campo - TVSBC
CRIME AMBIENTAL É FLAGRADO NA REGIÃO DO RIACHO GRANDE, TV São Bernardo - Notícias de São Bernardo do Campo - TVSBC clique aqui e ouça a matéria

Descarte irregular se dava em área de preservação, perto à Rodovia Índio Tibiriçá; autoria está sendo investigada pela Dicma

Crime ambiental de grandes proporções foi flagrado na região do Riacho Grande, em São Bernardo. Agentes da Prefeitura de São Bernardo detectaram nesta segunda-feira (25/10) descarte irregular de aproximadamente 100 mil metros cúbicos de resíduos de construção civil em área de preservação permanente, próxima à Rodovia Índio Tibiriçá. Com a ação, os infratores presentes no local foram conduzidos à Dicma (Delegacia de Investigação de Infrações e Crimes contra o Meio Ambiente), da Polícia Civil, responsável pela averiguação.

Identificado pela equipe da brigada municipal, com apoio da fiscalização ambiental e da Guarda Ambiental, o descarte ilegal envolvia despejo de terra e entulho no local, soterrando vegetação nativa e curso d’água, próximo ao trecho da rotatória situada nos arredores do Estância Alto da Serra. Além do despejo, o terreno público era usado também para queima de resíduos. O espaço trata-se de área de proteção aos mananciais, protegida pela Lei da Billings (13579/2009), com incidência em área de preservação permanente (APP), afetando o braço de abastecimento da represa.

Agora embargada, a área é pertencente à fazenda pública do Estado de São Paulo. Diante da autuação, a Prefeitura irá formalizar um ofício ao governo do Estado para comunicar sobre a invasão. Entre os crimes em investigação estão descarte irregular, intervenção em vegetação, atividade poluidora, construção sem licença e queima de resíduos. O valor da multa administrativa aplicada até o momento já ultrapassa o patamar de R$ 13 mil, mas a penalidade pecuniária ainda será acrescida de outros itens. A ser incluída, a multa por descarte, por exemplo, será de aproximadamente R$ 600 mil.

“A atividade ilegal flagrada pela fiscalização municipal evidencia a audácia de pessoas e grupos que, alheios à crise climática que assola o planeta e ao valor da riqueza ambiental de nossa cidade, insistem em manter velhas posturas de devastar florestas e desrespeitar a humanidade – presente e futura – em proveito próprio. A administração atual e os demais órgãos e autoridades envolvidos na fiscalização, controle e repressão de práticas desta natureza estão atentos e unidos no combate à criminalidade ambiental”, frisou a secretária de Meio Ambiente e Proteção Animal de São Bernardo, Regina Célia Damasceno.

RESPONSABILIDADE – A Polícia Civil iniciou já nesta terça-feira (25/10) o processo de coleta de depoimentos e de provas para dimensionar e responsabilizar os infratores.

Comente

Seu email não irá ser publicado Preencha os campos marcados com *.

Skip to content