SÃO BERNARDO LANÇA PROGRAMA TEM SAÍDA VOLTADO A EMPREGO PARA MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA

SÃO BERNARDO LANÇA PROGRAMA TEM SAÍDA VOLTADO A EMPREGO PARA MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA

O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, assinou nesta terça-feira (25/6) o convênio para o Programa “Tem Saída”, que visa a autonomia financeira e a empregabilidade de mulheres em situação de violência doméstica. A cidade é a segunda no Estado de São Paulo a instituir o projeto, após a Capital, incluindo capacitação ao empreendedorismo.

A iniciativa é realizada em parceria com o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Sebrae e a iniciativa privada. O programa já conta com a adesão de 28 empresas que oferecerão vagas de emprego às participantes. A cerimônia de assinatura contou com a presença da primeira-dama e deputada estadual Carla Morando, do juiz Mário Rubens Assumpção Filho, secretários, vereadores e outras autoridades locais.

O programa busca proporcionar suporte e oportunidades para mulheres vítimas de violência doméstica se recolocarem no mercado de trabalho, com apoio de empresas privadas. Esse esforço conjunto visa promover a independência econômica dessas mulheres e romper o ciclo de violência.

“Ação de extrema importância social, que tem como meta encerrar ciclo de violência doméstica contra as mulheres. Emprego dá autonomia, liberdade. Esperamos que esse programa possa servir de exemplo no País”, destacou o prefeito Orlando Morando.

O juiz Mário Rubens elogiou o “Tem Saída”, classificando-o como um programa “excepcional” e ressaltou que São Bernardo é a primeira cidade fora a Capital a aderir ao projeto. O programa também ganhou reconhecimento internacional, sendo premiado entre os 10 melhores projetos na área.

Mulheres em situação de violência doméstica serão integradas ao programa após atendimento pelo Judiciário e encaminhadas à Secretaria de Desenvolvimento Econômico de São Bernardo. Elas poderão optar por uma oportunidade de emprego ou empreender, com apoio técnico e recursos humanos das empresas parceiras.

“Estudos indicam que 3 a cada 10 mulheres já foram vítimas de violência. Só esses números já mostram a importância de implantarmos esse programa na cidade. E tudo isso se dará sem custos para nenhuma das partes”, afirmou Fernando Longo, responsável pela iniciativa.

O presidente da OAB subseção São Bernardo, Luiz Ricardo Bertanha, destacou que o programa encorajará as vítimas, muitas das quais não procuram a Delegacia da Mulher devido à dependência financeira do agressor.

São Bernardo já possui diversas medidas de proteção à mulher, como a Patrulha Maria da Penha, o Centro de Referência e Atendimento à Mulher (Cram), a Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), a “Lei Tamires” e a Campanha Sinal Vermelho. A cidade também planeja inaugurar a Casa da Mulher ainda este ano.

Comente

Seu email não irá ser publicado Preencha os campos marcados com *.

× Como posso te ajudar?
Pular para o conteúdo